quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Os Troncos dos Ipês



Ipê da vida

Foi uma operação orquestrada e rápida. Um mutirão de maus. Em menos de um dia dizimaram os ipês que floriam a Avenida que dava boas-vindas aos visitantes e abrigavam os gorjeios do passaredo. Uma entrada e saída triunfal de Goiandira onde não se vê o mal que se abriga e obriga.
Uma fileira de troncos nus dilacerados sem piedade agora se estendem num grito mudo de incompreensão generalizada; mortes sem aviso prévio ou estudo de prolongamento da vida, onde a beleza se espanta de colorido, principalmente quando tudo fica tórrido e intolerável.
No livro de José de Alencar, denominado “O tronco do ipê”, ficamos diante uma estória de decadência de um lugarejo onde floriam ipês e vida que se transformaram mutuamente em troncos murchos e decrépitos.
Assim se pinta nossa cidade, outrora um local convidativo limpo e arejado, transformada, num mandato apenas, em deserto escaldante governado pela truculência.
Talvez existam pareceres técnicos-científicos versando sobre a inviabilidade de tal espécie frondosa ou de flexibilidade para uma nova urbanística, mas antes de qualquer subterfúgio explicativo há o ranço abraçado à rivalidade política. Derrubar, independente de custo, o que foi feito pelos adversários porque eram incompetentes. Há de se temer que se derrube também moradias edificadas por antecessores plantadores de ipês, símbolos da Nação Brasileira.
Ainda que se alegue preocupação com o futuro não cola, pois nenhum mandatário de plantão pensa em algo além do próprio mandato que, no caso, não tarda, mas com tempo suficiente para não deixar nenhum espólio para o herdeiro e o povo.
A natureza, no mesmo dia da poda infernal, fez com que o céu chorasse acompanhado de estrondos e ainda foi pouco, pois se diz que Deus nos perdoa sempre, mas a Natureza nunca e, há de se ter, pele Lei de Causa e Efeito, o troco dos ipês.

1 comentários:

Izaias da Cunha disse...

crônica muito bem elaborada por uma pessoa que tem um sentimento profundo tanto pelos animais como pela natureza. Parabéns Aristeu.

Postar um comentário